Publicado em 25/05/2012

Cadeirinha de balanço

Sempre acreditei que todos merecem ter um cantinho para chamar de seu, não sala, nem quarto, muito menos cozinha.

Mas um quadradinho onde se possa ouvir os discos, ler os livros, folhear as revistas queridas…

E nesse espaço é mister que reinem três objetos fundamentais: um abajur de pé, uma cadeira ou poltrona confortável e um tapete.

Aqui em casa tem, é fofo e o Chico (o gato) pensa que é território dele.

Foi com essa ideia de aconchego que sugeri à minha primeira cliente (Marcele, obrigada por confiar na louca aqui!) que montasse o seu cantinho do Vinil, já que o querido dela é um apaixonado pelas bolachas.

E não é que ela curtiu a minha sugestão e hoje arrematou uma cadeirinha linda de balanço, toda trabalhada em palhinhas trançadas?

Eu, que a acompanhava no périplo estofador-loja de tecidos-loja de móveis amei o movelzinho e já montei todo o espaço na minha mente viajona de neo palpiteira em decoração: imaginei a cadeirinha balançando sobre um tapete bem macio, com almofadinhas coloridas no encosto e, ao lado, uma luminária de pé  para as leituras ocasionais.

Depois da compra nos despedimos e eu voltei para casa com um sorriso bobo na cara: a Mar tinha curtido de fato a sugestão de um canto para chamar de dela (ou dele) e em vez de comprar um móvel tinindo de novo e pagar uma fortuna, ela optou por arrematar um lindo objeto que tem muita história e, o mais bacana, por um preço super supimpa!

É ou não é Pintinho no Lixo?

Beijos, me chamem!

[nggallery id=75]